VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA AS MUDANÇAS?

Atualizado: 20 de Out de 2019

Ninguém tem dúvidas que a tecnologia é um mar que avança e vai modificando as estruturas, sejam elas quais forem. Um computador procura, acha, espalha, divulga, soma, multiplica muito mais rápido que qualquer pessoa. A tecnologia vai cada vez mais personalizando necessidades em velocidades inimagináveis! Perto dela, tudo muda!


E você está no tudo?



Então, “será que a tecnologia é capaz de tirar meu trabalho? Roubar meus talentos?”


Mudar não quer dizer extinguir. Isso quer dizer que nem tudo que muda deixa de existir. Assim, a televisão não fez sumir o rádio, a internet não fez sumir a televisão. E o ciclo da história é tão perspicaz que hoje falamos em podcast, que é nada mais que um rádio personalizado.


Outro dia, pensei em renovar meu cartão de visitas. Mesmo com whatsapp, mensager e tantas outras formas de comunicação digital, acredito que o bom e velho cartão de visitas entregue olho no olho faz toda diferença. Não pelo papel couchè em tantas gramas, frente e verso, mas pelo olho no olho, pelo aperto de mão, pelo sorriso sincero.



Se tudo está à venda, estamos comprando e vendendo tudo a todo momento com ou sem internet. Serviços, produtos, felicidade, sonhos, esperança. E com tamanha concorrência provocada também pela tecnologia que nos cerca, onde buscar nosso diferencial? O que fazer para se destacar no meio da multidão.


Multidão de tudo: ofertas, oportunidades, requisições, atenção...


Vivemos um processo híbrido entre digital e pessoal; entre digitar e telefonar; entre aguardar e ir.


Você não precisa ir a uma loja para comprar uma camiseta branca, um sanduíche ou muito menos uma passagem aérea. A internet pode te oferecer produtos e serviços “na comodidade do seu lar”. E com entregas cada vez mais rápidas, a jornada de compra do consumidor online será cada vez mais instantânea.


Mas, e o “olho no olho”?



Liguei para uma das poucas lojas que fazem cartão de visitas em meu bairro. Minha vontade era de pegar meu novo cartão no mesmo dia. Mas o que vi foi uma grande decepção.


A atendente primeiro me perguntou sobre a arte e diagramação. Respondi que não tinha e se seria possível ela me ajudar com esse serviço. A resposta foi seca: “não fazemos a arte”.


Não é preciso dizer que desisti da minha meteórica aventura em comprar na loja do bairro. O que eu mais queria ter ouvido naquele momento é que meu cartão de visitas ficaria pronto em pouco tempo, que a empresa faria a arte, que eles poderiam me dar sugestão, que no site deles eu poderia ver alguns modelos, e ainda se eu precisaria de mais alguma coisa.


Mas eu ouvi “não”. “Não posso”, “não faço”, “não sei”.


E fui, frustrado, procurar uma loja online que atendesse minhas necessidades. Em poucos dias meu cartão de visitas estava em casa, lindo, semelhante aos modelos que o próprio site disponibilizava.


Sabe por que a tecnologia vai tirar nossos empregos?



Porque esquecemos de valorizar o “olho no olho”, o “eu vou te ajudar”, o “sim, eu posso”... nos preocupamos muito mais com tentar copiar a velocidade da tecnologia ou simplesmente ignorá-la como se fosse uma adversária incapaz e sortuda.


O poder está em nossas mãos e a gente não vê. O seu atendimento é precioso, um tesouro analógico que digital nenhuma vai tirar de você.


Todos nós temos diversas questões para decidir todos os dias e isso nos faz carentes do apoio de um profissional da área que poderá resolver nosso problema.


Personalizar talvez seja uma forma de conquistar, de mostrar para o outro que “ei, estou aqui e posso te ajudar”.


As mudanças fazem parte da evolução do ser humano e estamos sempre ansiosos por mudar algo para ganhar tempo, espaço.


O que acontece é que nem sempre estamos preparados para as mudanças, ainda que elas sejam anunciadas há anos, décadas. Rígidos, deixamos escorregar pelas mãos a flexível modernidade líquida*, capaz de reconquistar espaços, de resolver problemas.



Não há bem maior que o poder do ser humano em se relacionar. Nenhuma máquina, por mais personal que seja, será capaz de distribuir sentimentos, de compreender como nos compreendemos. Saber "o que fazer" não é o mesmo do que “Como fazer”. Esse poder é de todos aqueles que estão em busca de reinventar-se.


Amolde-se as novidades, talvez diria Baumam.


A tecnologia substituiu o homem em muitas coisas, mas há algo que nenhum software é capaz de fazer: ser você mesmo.


E você está preparado para mudanças?


Pense nisso!




*Modernidade Líquida: É o termo cunhado pelo filósofo polonês Zygmunt Bauman para definir a atual sociedade. Ele analisa e define as relações e comportamentos rápidos e fluidos do mundo contemporâneo, impactados pelo capitalismo globalizado.

0 visualização