Lista VIP inclui 5 restaurantes brasileiros entre os melhores do Mundo

Atualizado: 25 de Jun de 2019

A festa de premiação será dia 25 de junho de 2019 em Singapura.



A famosa lista é tradicionalmente de apenas 50 ganhadores. Este ano de 2019 foi ampliada para 120 para comemorar os 120 anos de seu principal patrocinador, S. Pellegrino, conhecida água mineral da região da Lombardia, nos Alpes Italianos e que é engarrafada desde 1899.


O prêmio The World’s 50 Best Restaurants, ao incluir mais 70 restaurantes pelo mundo, premiou quatro brasileiros incluindo-os em sua lista VIP.





Desde 2002 o "The World’s 50 Best Restaurants" premia os 50 melhores restaurantes do mundo. O seu painel de mais de 1.000 especialistas culinários, bem como o seu procedimento de votação estruturado e auditado refletem a credibilidade do prêmio. É um resumo das opiniões e experiências desses especialistas do setor de restaurantes. Um ponto de referência gastronômico mundialmente reconhecido, que mostra as principais tendências e destaca ótimos restaurantes de todos os cantos da Terra.



O que constitui "melhor" é deixado para o julgamento desses gourmets confiáveis ​​e bem viajados. Por isso, não há uma lista de pré-determinada de critérios, mas regras rígidas de votação.



Como funciona o voto


A lista é organizada e compilada pela William Reed Business Media. Nenhum dos funcionários do organizador, ou de qualquer um dos patrocinadores associados aos prêmios, faz parte da Academia de Votação.


Criada a partir dos votos da Academia composta de 50% de eleitores do sexo feminino e 50% de eleitores do sexo masculino e dividida em 26 regiões separadas ao redor do mundo. Cada região tem seu próprio painel de votação de 40 membros, incluindo um presidente para liderá-lo.



As regras de votação


  • A votação é estritamente confidencial antes do anúncio dos prêmios.

  • Cada membro da Academia vota por 10 restaurantes; pelo menos 4 deles devem ser para restaurantes fora de sua região de origem

  • Os membros da academia enviam suas 10 escolhas em ordem de preferência;

  • Os membros da academia devem ter comido nos restaurantes que indicaram nos últimos 18 meses - e são solicitados a confirmar esse fato para cada uma de suas indicações;

  • Os membros da academia devem confirmar a data de sua última visita a cada um dos restaurantes que indicarem


  • Os membros da academia não têm permissão para votar nos restaurantes de que são proprietários ou têm interesse financeiro - e devem confirmar esse fato para cada uma de suas indicações.

  • Os membros da academia não podem votar em um restaurante baseado em uma experiência de jantar que não ocorra no próprio restaurante; por exemplo, quando um restaurante ou chef organiza jantares em diferentes locais;

  • Os membros da academia não podem votar em um restaurante fechado ou que fechará dentro de 3 meses após a publicação das listas. Portanto, eles não podem votar em um restaurante temporário ou em um pop-up;

  • As indicações devem ser feitas para o restaurante, não para o restaurador ou o chef (exceto no caso de prêmios especiais individuais)

  • Os membros da academia devem permanecer anônimos em relação à Academia dos 50 Melhores Restaurantes do mundo.


  • Não há critérios que um restaurante tenha que cumprir. Eles não precisam vender um determinado produto. Eles não precisam estar abertos há um certo número de anos e não precisam ter ganho nenhum outro prêmio culinário.




Este método significa que não há inscrição de restaurantes para estar na lista e nem podem ser nomeados.


Isso também significa que todos os restaurantes do mundo - exceto aqueles que entraram no grupo Melhor do Melhor - são elegíveis.



Os seguintes restaurantes foram nomeados número 1 nos 50 melhores restaurantes do mundo desde o início da lista e, portanto, não serão elegíveis para votação em 2019 ou além.


o Melhor do Melhor:

El Bulli (2002, 2006-2009)

A Lavanderia Francesa (2003-2004)

O Pato Gordo (2005)

Noma - localização original (2010-2012, 2014)

El Celler de Can Roca (2013, 2015)

Osteria Francescana (2016, 2018)

Onze Madison Park (2017)



Para nosso deleite, segue os 4 melhores restaurantes do Brasil na lista Vip mundial.




Em 100 lugar:


OTEQUE, Rio de Janeiro

Conde de Irajá, 581, Rio de Janeiro @albertolandgraf


Comandado pelo chef Alberto Landgraf, o carioca Oteque está instalado em uma casa de 1938 convertida em uma aconchegante sala de jantar com cozinha aberta e trilha sonora descontraída.



O que comer: Frutos do mar frescos, vegetais estritamente orgânicos e criações de inspiração japonesa e brasileira, como o olho de boi cru com caviar.


O que beber: coquetéis clássicos do elegante bar ou uma combinação de vinhos sul-americanos e europeus


Para sobremesa: Sorvete de castanha do Brasil





Em 74 lugar


LASAI, Rio de Janeiro


Rua Conde de Irajá, 191 - Botafogo, Rio de Janeiro 22271-020 http://www.lasai.com.br/ @restaurantelasai



Após 10 anos entre Nova York e a Espanha, o chef brasileiro Rafael Costa e Silva retornou ao Rio de Janeiro para montar o Lasai em 2014. Seu conceito de fazenda para mesa traz produtos frescos de dois jardins fora da cidade para alimentar o seu menu de degustação colorido e criativo de lanches e alimentação voltada para veg.


Em Basco, Lasai significa tranquilidade e relaxamento, que é a sensação que os clientes sentem ao entrar neste restaurante acolhedor, em uma casa que data de 1902.


Destaques: A sequência do lanche conta com picadas de comer com as mãos, como couve-flor com arroz e castanha do Pará, além de banana, feijão e pimenta.





Em 73 lugar


MANÍ, São Paulo


Rua Joaquim Antunes, 210, Jardim Paulistano, Sāo Paulo 05415-010 manimanioca.com.br @manimanioca



A colorida culinária de Helena Rizzo é um destaque do ponto gastronômico de São Paulo, o Jardins. A chef, que é mentora no The Taste Brasil, cria pratos impressionantes com ingredientes nativos brasileiros, como o tucupí, um molho de raiz de mandioca e sopa fria com jabuticaba. Seu nhoque delicado contém um toque do jambú da erva amazônica entorpecente.

Prato obrigatório: ceviche vegan com caju


Curiosidade: a supermodelo Fernanda Lima é uma das investidoras do Maní




Em 54 Lugar


D.O.M., São Paulo, Brazil

Barão de Capanema, 549 - Jardins, São Paulo 01411-011 domrestaurante.com.br @alexatala



Alex Atala é um pioneiro dos ingredientes nativos brasileiros, o chef que colocou a floresta amazônica no mapa gastronômico . Seu último cardápio de degustação, em comemoração ao 20º aniversário do restaurante, leva os visitantes a produtos indígenas, como os cogumelos Yanomami com gema de ovo e aspargos.


Prato mais postado no Instagram: formigas com cachaça


Experimente também: Dalva e Dito menos formal de Atala serve produtos brasileiros excepcionais a preços mais acessíveis




Em 39 Lugar


A Casa do Porco


O único brasileiro a figurar entre os 50 melhores do mundo, a Casa do Porco é uma celebração da carne de porco em inúmeras formas. Em uma fazenda em sua cidade natal, São José do Rio Pardo, em São Paulo, Jefferson Rueda cria porcos locais em uma dieta natural de soro de leite e vegetais.


foto: site 50 best restaurants

Após o abate em seu próprio matadouro, o chef faz uso de todas as partes do animal em pratos inventivos, como sushi de porco e linguiça caseira. A atmosfera é mais divertida do que refeições requintadas, com uma sala principal adornada com porcos em miniatura, decoração colorida e artefatos interessantes das viagens do chef.


Sobre o chef: Começando como açougueiro, Rueda fez seu nome no restaurante italiano Pomodoro em São Paulo. Entrou para os 50 melhores restaurantes da América Latina no número 32 em 2013. Ele ganhou experiência internacional no El Celler de Pode Roca em Girona, e abriu a Casa do Porco em 2015.








0 visualização