VIAJE PELA NATUREZA, VINHOS E GASTRONOMIA DA ÁFRICA DO SUL

Atualizado: Ago 19



Presente nos melhores guias de viagens como um destino imperdível, a África do Sul revela seu lado sofisticado e de belezas estonteantes também na #enogastronomia.


combinações inusitadas do café da manhã no Waterfront, Cidade do Cabo

Tipo de viagem: Ideal para ir com amigos, em família, sozinho, viagens românticas (Cidade do Cabo).


1 - Uma taça de vinho no topo da Table Montain


A principal atração no Guia "1000 lugares para conhecer antes de morrer" (quando se refere a África do Sul) é a suntuosa montanha que percorre boa parte da Cidade do Cabo, a Table Montain. O conhecido guia possui diversas atrações no mundo todo, incluindo até emblemáticos restaurantes. Segundo o guia a melhor época para visitar a Table Montain é de Setembro a Abril, isso porque as nuvens fecham o tempo e impede o teleférico de subir. Mas fui a Cidade do Cabo em Agosto e não tive problemas com a visibilidade, inclusive nos dias que passei lá a montanha não fechou sequer um dia.


topo da Table Montain, onde há muito espaço para caminhar e contemplar o visual, e até uma cafeteria

Um teleférico em apenas 5 minutos leva um grupo de pessoas do chão ao topo da montanha,onde o pôr do sol é incrível.


teleférico subindo a Table Montain






2 - Um restaurante sul-africano entre os 50 melhores do mundo


As principais lembranças que tenho de dias gastronômicos em Joanesburgo e Cidade do Cabo são os pratos fartos nos restaurantes.


Nhoque com queijos africanos no restaurante do hotel The Sun, em Johanesburgo

No restaurante do Hotel The Sun, por exemplo, pedi um nhoque com queijos e veio uma porção enorme e saborosíssima do prato, uma versão africana da culinária italiana.


Além disso, o restaurante do Hotel The Sandton Sun tem uma vista interessante da cidade de Joanesburgo. Se estiver frio, lareiras de pedra são acesas deixando o lugar mais aconchegante e descolado.


Ainda em Johannesburg, um dos restaurantes de culinária africana indicado é o restaurante MOYO.


A rede, possui unidade em Joanesburgo e também na Cidade do Cabo (dentro do Jardim Botânico).


O restaurante Moyo de Joanesburgo fica no bairro gastronômico de Melrose Arch, onde estão também o restaurante do chef e apresentador inglês Jamie Oliver entre outros.



Já em Cape Town, além das paisagens montanhosas alucinantes, vinhos próprios da região, a cidade possui também uma gastronomia fantástica.


E na premiada gastronomia sul-africana esta o restaurante The Test Kitchen, escolhido pelo #50best como um dos 50 melhores restaurantes do mundo.


Segundo a organização da premiação, o The Test Kitchen foi escolhido essencialmente pelo fato de a comida ser baseada em pratos populares do mundo todo, mas com ingredientes e toques sul-africanos.


A verdade é que O The Test Kitchen deu um boom artístico ao agora agitado bairro do Woodstock, conhecido por cafés modernos, lanchonetes vegetarianas e galerias que ocupam antigas fábricas pintadas com murais vibrantes.


A noite o lugar é tomado por agitadas boates e bares de vários estilos, inclusive com música popular brasileira.


Para quem procura o lado mais sofisticado e gastronômico do lugar, o ideal é ir final da tarde e circular pelos complexos gastronômicos e visitar as galerias de arte africana.




Quem comanda o The Test Kitchen?


Luke Dale-Roberts nasceu na Inglaterra rural e passou juventude pescando e em contato com a natureza. Inquieto, ele se destacou na escola de culinária desde adolescente.


Foi o trabalho no Reino Unido, Bali, Coréia do Sul e Japão que abriu seus olhos para um mundo de técnica e ingredientes, as quais Dale-Roberts adota no restaurante.


Na experiência gastronômica do The Test Kitchen você pode provar, por exemplo, um ceviche acompanhado de variados coquetéis.


Vinho Pinotage em Camps Bay, Cidade do Cabo

MAS, se a ideia é um final de tarde descontraído com amigos, uma excelente opção são os bares e restaurantes da praia de Camps Bay. De frente para o mar, em grandes varandas, os bares ficam agitados com muitos turistas a espera do pôr do sol.


Hora de provar um pinotage!


Antes de mais nada vale a pena saber que a uva pinotage é um cruzamento da Pinot Noir e da Cinsault, também conhecida por "hermitage", daí a palavra "pinotage".


Segundo o enólogo da brasileira Família Valduga, Lucas Simões, "Os vinhos elaborados a partir da Pinotage têm características muito peculiares, por isso alguns consumidores os adoram e outros os detestam. Apesar disso, muitos dizem que é uma bebida fácil de beber".


Em terras sul-africanas, achei o vinho uma delícia. Leve, tranquilo, sem compromisso, como diriam os enófilos. Um bom vinho sem a obrigação de surpreender!



Veja também

Filé com Cogumelos em Cape Town, restaurante do hotel The Mirage.

Hotel boutique, com poucos quartos, extremamente bem decorado, aos pés da Table Montain.




3 - Provas e Degustações de vinho na Cidade do Cabo


Groot Constancia:

Nosso primeiro contato com os vinhedos sul-africanos foi na região bem próxima a cidade do Cabo, mais especificamente no distrito chamado Constancia.


Há várias formas de chegar a Constancia. Optamos pelo ônibus de turismo da cidade, que além de fazer um passeio incrível por regiões diversas, como o jardim botânico, o bairro das embaixadas, leva também para a vinícola Groot Constancia. De carro é muito fácil também.


A Groot Constancia é a mais antiga vinícola da África do Sul, considerada patrimônio tombado da cidade.


Uma tradicional mansão, construída em estilo holandês, proporciona visitação e degustação de vários rótulos produzidos pela casa.


Reza a lenda que Napoleão Bonaparte, em seu exílio na Ilha de Santa Helena, exigiu que lhe fossem levadas garrafas de vinho Groot Constantia.

A Groot Constantia é conhecida pela sua produção de vinhos tintos, especialmente o Shiraz, o Merlot, o Pinotage. Seu vinho superior é o corte Gouverneurs Reserve. Em 2003, a vinícula voltou a produzir os vinhos de sobremesa, retomando a produção que havia sido interrompida desde a década de 1880.


A degustação custou algo em torno de $10 dólares e pudemos provar até 5 rótulos, com direito a uns biscoitinhos para acompanhar.


Confesso que não é das mais elaboradas degustações, principalmente por ter vários grupos provando no mesmo ambiente, também pelo o serviço ser no balcão onde você fica em pé, mas, o atendimento é especial e o lugar é lindo. Vale a pena conhecer!


4 - STELLENBOSCH: Degustação de Vinhos com Chocolate e Gins africanos.


De influência europeia, Stellenbosch é uma pequena cidade universitária rodeada de muito verde, vinícolas e montanhas, que fica a 50km da Cidade do Cabo. E foi para lá que fomos em nossa expedição pelos vinhos sul-africanos, principalmente para conhecer a degustação de Gim do hotel Asara e também a degustação de vinhos com chocolate do Hotel Lanzerac.



Degustação de Gim


Além dos vinhos, a África do Sul tem Gim muito conhecidos e apreciados. Assim que chegamos ao hotel Asara, onde também nos hospedamos, fomos convidados a conhecer a degustação de Gim sul-africanos que o hotel tem em um de seus restaurantes.


Os gim são muito interessantes e as composições com essências e infusões deixam eles ainda mais especiais.


A degustação é apresentada por um especialista que, muito simpático, vai demonstrando diferenças e contando histórias dos produtores e marcas locais. Foi uma experiência marcante e muito saborosa. O valor da degustação não está incluído na diária.






Degustação de Vinhos harmonizados com Chocolates


Stellenbosch, Paarl e Franschoek formam a Região Vinícola do Cabo, a maior das duas regiões vinícolas da África do Sul. Stellenbosch é a principal localização para produção vinícola sul-africana, que produz anualmente cerca de dez milhões de hectolitros de vinho.


A Rota dos Vinhos de Stellenbosch, estabelecida em 1971, tem fama mundial e constitui um destino turístico apreciado por quem gosta de vinhos e também especialistas do setor.


A região tem clima mediterrânico, com verões quentes, invernos suaves e céus azuis e limpos. E em todos os dias que estivemos lá (mês de agosto) tínhamos esse céu limpo em contraste com o verde das vinhas.


A degustação que escolhemos em Stellenbosch foi a do Hotel Lanzerac. Além de ser um dos mais sofisticados hotéis 5 estrelas da região, a degustação se diferencia por harmonizar os vinhos com chocolates feitos exclusivamente para a degustação. Isso porque cada chocolate possui uma harmonização específica para o tipo de vinho servido, seja ele varietal ou um blend.



Os chocolates são servidos em pequenas barrinhas, cada uma com o vinho específico que deve harmonizar. Claro que o vinho sul-africano mais emblemático, o Pinotage, é a estrela da festa e também o último das degustações. Há vários tipos de degustação, e você pode escolher de acordo com um grupo de rótulos pré-selecionados. Quanto mais complexos os vinhos e preços das garrafas, mais cara a degustação.






A degustação harmonizada com chocolate custou $140 rands sul-africanos, algo em torno de R$37, por pessoa.


Os vinhos provados na degustação ou qualquer outro do menu, estão disponíveis à venda na adega do hotel. Custam em torno de 150 rands (um pinotage, por exemplo), ou seja, +- R$40.




Como chegar


diversas formas de chegar a Stellenbosch. Até mesmo a principal empresa de turismo (ônibus hop on hop off) tem um tour de um dia inteiro específico para a cidade. Outras opções práticas é ir de táxi, uber ou até mesmo dirigindo. Todas muito fáceis, pois a estrada é tranquila, apesar de passar por regiões bem marginais da Cidade do Cabo.


A nossa opção foi ir de motorista particular. Custou algo entorno de R$100 (em 2018). E foi uma viagem muito confortável, a qual eu faço questão de compartilhar o contato: +27 82 726 7669 (Sr. Gershwin). que também trabalha como Uber na Cidade do Cabo.


Além disso, o hotel que ficamos em Camps Bay oferecia a opção de motorista particular também para Stellenbosch por valor semelhante, mas como já havíamos contratado o Sr. Gershwin, fomos com ele.



COMPREI UMA GIRAFA


Para quem gosta de decoração, o artesanato sul-africano é único. Verdadeiras obras de arte são confeccionadas em madeira. Não resisti e comprei um girafa de 2m de altura toda talhada em madeira. Mas como trazer na mala aquele grande souvenir?


Em Stellenbosch, onde comprei, várias lojas anunciam que enviam para todos os lugares do mundo qualquer obra que você desejar adquirir. Como muitas delas tem valor considerável, dá para ficar desconfiado se realmente enviarão por navio como sugerem, se o produto chegará tranquilo, como são os tramites legais etc. Os vendedores dizem que resolvem tudo, basta você pagar as taxas.



Fomos na confiança e ficamos na espera!!! E depois de um ano... olha quem chegou!!! A girafa em madeira chegou intacta, e sem nenhum problema. Mas devo confessar que a girafa só chegou depois de muitos e-mails cobrando a vinda dela, e também pagamos uma taxa na chegada dela aqui na alfândega.



Informações & Curiosidades


África do Sul tem 11 idiomas oficiais, sendo dois de línguas indo-europeias: o inglês e o africâner (também falado na Namíbia). E por mais que pareça simpático o nome Africaner (Holândes do Cabo), sempre que achávamos curiosa uma palavra e pediamos para eles traduzirem em africaner, as pessoas não se sentiam a vontade. Isso por que é uma lingua que remonta os tempos de dominação e colonização da África do Sul, principalmente pelos ingleses.


O português, apesar de não ser uma das 11 línguas oficiais da África do Sul, goza do estatuto de língua protegida, uma vez que é significativa a proporção da população falante de língua portuguesa, devido à proximidade de Moçambique (e, em menor escala, da Angola) e pela dimensão da comunidade portuguesa e luso-descendente. A África do Sul tem mais de um milhão de falantes de português.


mais informações sobre a Table Montain em: www.tablemontain.net.co.sa




62 visualizações